informarmy.net
Ricominciare a 50 anni vendendo ghiaccioli sulla spiaggia
Stampa / Print

Um casal de vendedores de picolé têm chamado atenção nas ruas e praias de Vitória. O homem se esforça para falar português no papo com os clientes e a mulher empurra o carrinho com muito estilo. Depois de 20 anos morando na Itália, a brasileira Sheila de Albuquerque Machado, 45, e o marido italiano Giuseppe Zanon, 52, resolveram recomeçar a vida em solo capixaba.

A crise que afeta a Europa complicou a situação da família – o casal tem uma filha de 16 anos -, que dependiam do comércio. Para dar a volta por cima e garantir um retorno financeiro imediato, eles resolveram vender picolés.

Experiência

Giuseppe tem 38 anos de experiência comercial e era proprietário de duas lojas da companhia telefônica Vodafone (a maior da Itália), mas ele conta que não valia mais a pena manter o negócio aberto.

“Queríamos recomeçar do zero. Precisávamos fazer alguma coisa, simples e imediata. Até porque, por enquanto, não posso trabalhar em uma atividade comercial formal por ainda não possuir os documentos necessários”, diz o italiano.

O casal está vendendo picolés há um mês e meio. E estão se dando bem. Em média, Giuseppe consegue faturar por dia R$ 100 – o total depende da quantidade de picolés vendidos. Sheila recebe um pouco menos, na faixa de R$ 70. Os carrinhos só não circulam nas praias nos sábados, em respeito à religião de Sheila, que é adventista.

“Vender picolé é uma atividade que dá dinheiro, se bem realizada. E é bastante simples, qualquer um pode fazer”, garante o italiano da região de Veneto.Sheila e o marido moram em um apartamento próprio em Jardim Camburi. Ela também conta que gosta de caminhar e tem dias que o percurso ultrapassa dez quilômetros.

Giuseppe admite que a atividade é desgastante e que não quer vender picolé para sempre. “É uma forma que encontrei para conhecer o mercado local, como as pessoas se comportam, para entender onde devo investir e a que devo me dedicar futuramente”, assinala.

Essa foi também a maneira que ele encontrou para se adaptar. “Falo muito bem o espanhol, e as línguas são parecidas. Já fiz muitas amizades, e é conversando que se conquista os clientes”, conta o vendedor.

Daniella Zanotti
dzanotti@redegazeta.com.br



Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/VivereInBrasile/~3/7XQNPP1uvtw/ricominciare-50-anni-vendendo.html

About the author

Related Post

Questo sito non rappresenta una testata giornalistica e viene aggiornato senza alcuna periodicità, esclusivamente sulla base della disponibilità di materiale sugli argomenti trattati. Pertanto, non può considerarsi prodotto editoriale sottoposto alla disciplina di cui all'art. 1, comma III della Legge n. 62 del 7.03.2001 e leggi successive.

Sitemap